7.20.2017

O ENTRETENIMENTO É UMA ILUSÃO


A diversão é uma distração. O prazer em comprar algo novo é temporário. Assim como a satisfação de ir em algum evento, show, cinema ou restaurante por exemplo. Tudo passageiro, transitório, efêmero.

Nada disso pode te trazer paz ou consolo. Nada disso pode te dar força para viver. O único que pode te dar forças pra lutar é DEUS. Dele vem a energia física, emocional e espiritual que você precisa. Nenhum entretenimento ou produto te dará a alegria que Ele pode te dar. Tudo é ilusão. Somente DEUS é eterno. Somente DEUS pode te livrar, te libertar, te curar. Dar aquilo que você realmente precisa.

Nenhum dinheiro pode te dar segurança ou paz. Nenhum recurso físico, nem ninguém, pode te dar o que DEUS pode te dar. Nem pai, nem mãe, nem cônjuge, filhos, parentes ou amigos. Nenhum desses tem o poder que a Trindade tem, Deus Pai, Deus Filho (JESUS), e Deus Espírito Santo.

Quando a doença vem, o sofrimento, a ansiedade, angústia, o medo, a depressão, quando essas coisas ruins aparecem, nenhum programa de lazer, filme, te salvará, nenhuma música, nenhum jogo, nenhum passeio, viagem, nenhuma roupa, sapato, carro, casa, nada disso pode te atender quando você está em pânico.

Não vai ser um namoro, noivado ou casamento que te fará feliz, a não ser por algum tempo. Nem vai ser um diploma que te completará, a não ser por alguns anos, nenhuma conquista terrena se compara à paz que excede todo o entendimento.

Você pode ignorar os problemas em uma festa, em uma balada, em uma bebida forte. Mas a realidade logo vem à tona. Não adianta tapar o sol com a peneira. Reconheça que sem DEUS você não é nada, não vale nada, é uma criatura inútil, egoísta e mortal.

Quando o seu time faz um gol ou ganha um campeonato você fica feliz? O que você ganha com isso? A vida é curta, o corpo é frágil, a violência está nas ruas, o ódio, o consumismo desenfreado, o egoísmo, o perigo. Quem poderá te proteger? O Chapolin Colorado?

Não perca mais tempo sem DEUS. Reconheça a sua miséria sem Ele e peça desculpas por viver pra si mesmo. Peça perdão. Corremos atrás pra resolver os problemas que surgem justamente porque estamos longe Dele. A maioria deles. Reconheça que você é um verme, um pecador em série (serial sinner).

Dobre os seus joelhos o mais rápido possível e faça as pazes com seu Criador. Com a FONTE da VIDA. E vida eterna. Faça um pacto com Deus comprometendo-se a lutar contra o pecado que habita em você. Em pelo menos tentar não pecar tanto quanto você peca. Em chorar pelo pecado, arrepender-se quando cair e levantar em seguida. Pois é isso que nos diferencia do restante das pessoas desse mundo. Eles pecam e não sentem remorso. Até se orgulham de alguns pecados. Nós, cristãos, pecamos, mas sentimos tristeza. Buscamos o perdão e a misericórdia, para não sermos condenados também.

Beijos de luz.


Ricardo











3.30.2017

Autoridade e Submissão no Exército



O EXÉRCITO BRASILEIRO
Há dezenas de cargos diferentes nas três instituições que cuidam da defesa do país – o Exército, a Marinha e a Aeronáutica. Existem 19 cargos diferentes no Exército brasileiro por exemplo.
A base da pirâmide são os soldados. Depois, pela ordem, vêm os cabos, sargentos, tenentes, capitães, majores, tenentes-coronéis, coronéis e os generais. Essas patentes também possuem subdivisões – os sargentos, por exemplo, são classificados em primeiro, segundo e terceiro-sargento. Na carreira militar, as promoções são distribuídas de acordo com o tempo de carreira e o merecimento de cada um, tudo analisado em avaliações de desempenho. Em tempos de paz, o posto mais alto é o do general-de-exército, que chefia as tropas de todo o país.
Em caso de guerra, cria-se um cargo especial, o marechal, que lidera o Exército na hora do conflito e responde diretamente ao presidente da República por suas ações.
O ato de jurar a bandeira nacional faz parte somente do cerimonial das Forças Armadas do Brasil. Os compromissos são os seguintes:
Compromisso dos Recrutas:
“ Incorporando-me (à Marinha do Brasil; ao Exército Brasileiro; ou à Força Aérea Brasileira), prometo cumprir rigorosamente as ordens das autoridades a que estiver subordinado, respeitar os superiores hierárquicos, tratar com afeição os irmãos de armas, e com bondade os subordinados, e dedicar-me inteiramente ao serviço da Pátria, cuja Honra, Integridade, e Instituições, defenderei com o sacrifício da própria vida. ”
— Inciso V, do Artigo 171 do Decreto nº 88.513, de 13 de julho de 1983,
Compromisso dos Reservistas:
“ Dispensado da prestação do Serviço Militar inicial, por força de disposições legais e consciente dos deveres que a Constituição impõe a todos os brasileiros, para com a defesa nacional, prometo estar sempre pronto a cumprir com as minhas obrigações militares, inclusive a de atender a convocações de emergência e, na esfera das minhas atribuições, a dedicar-me inteiramente aos interesses da Pátria, cuja honra, integridade e instituições defenderei, com o sacrifício da própria vida. ”
— Artigo 217 do Decreto nº 57.654, de 20 de janeiro de 1966

O EXÉRCITO DE DEUS NA TERRA
Ninguém considera uma batalha como algo sem importância, insignificante. Ao travar uma batalha, um exército precisa de moral, de união para a luta. A fim de manter esse moral, é preciso eliminar até mesmo a pequena dissensão sobre o menor assunto. Se aquela pequena conversa não for eliminada, o moral será anulado e, consequentemente, a unanimidade será destruída. O resultado é que, por falta do moral, o exército pode perder a batalha. Tudo isso nos mostra a seriedade de um ministério na casa de Deus. É ele quem faz soar a trombeta para o exército sair para a guerra (Nm 10.9; Jz 7.18). O trombetear para a guerra é um símbolo do liberar da Palavra hoje no meio da Igreja. Ignorar a Palavra ministrada é o mesmo que ignorar a trombeta soada para a batalha. Se os soldados começassem a discutir sobre a trombeta em vez de obedecerem ao comando, o inimigo certamente os derrotaria.
Temos de perceber que a Igreja do Senhor é um exército combatente. Estamos fazendo algo mais sério do que qualquer batalha na Terra. Estamos lutando contra Satanás, o inimigo de Deus. A Igreja é o exército de Deus, e isso está muito claro no livro de Efésios, que mostra muitas ilustrações da Igreja, como: o Corpo de Cristo, a família de Deus, o edifício de Deus e o novo homem. Mas, no final do livro, Paulo diz que a Igreja é também um exército para combater o inimigo. Ele nos mostra, claramente, como deve ser a armadura desse exército. A Igreja não é um mero grupo de pessoas reunidas para um culto, mas, sim, o exército de Deus posicionado em um tempo de guerra para trazer o reino de Deus à Terra.
A Igreja, certamente, é o exército do Senhor, e a característica mais marcante de um exército é o respeito à autoridade. Sem autoridade e submissão não há como um exército seguir para a batalha. O mesmo princípio se aplica à Igreja. Quando não há uma ordenação clara de autoridade, não podemos prevalecer contra o inimigo. Onde há rebeldia e insubmissão, na verdade, o inimigo já tem levado vantagem.
Um cidadão pode dizer muitas coisas e criticar o governo ou as forças armadas, mas, quando ele entra no exército e se torna um soldado, ele perde o direito de dizer qualquer coisa. É possível debater e até brigar no senado, mas até um senador, ao se tornar um soldado, precisa ficar quieto. Não há som incerto no exército. A igreja e o ministério não são como o senado, em que qualquer um chega e expressa sua opinião. No ministério, nós somos completamente preenchidos com um espírito de luta, de batalha espiritual.
Isso, evidentemente, não significa que os pastores controlam as pessoas, mas significa que os membros entendem esse princípio e, espontaneamente, se submetem à liderança na Casa de Deus. Entender o espírito de guerra espiritual em que vivemos implica também em reconhecer que o ponto central do exército é a submissão.
Se já temos o espírito de guerra, precisamos, agora, receber o espírito de submissão. Somente pela submissão podemos ser um exército unido na batalha, com um moral elevado pela unanimidade. Muitos não têm percebido como o inimigo, sorrateiramente, tem infectado a igreja com o espírito de rebeldia, disfarçado em críticas e opiniões aparentemente inofensivas e até bem intencionadas. É tempo de nos unirmos para a peleja e eliminarmos toda dissensão entre nós.
Você se considera uma pessoa submissa? Gostaria de expor alguns pontos que mostram as características de uma pessoa realmente submissa. Lembre-se que somente irmãos submissos à autoridade podem ser úteis na obra de Deus, e que a insubmissão destrói a unanimidade, impedindo-nos de avançar no mover do Espírito.
SINAIS DE UMA PESSOA SUBMISSA

A maioria das pessoas na igreja se considera submissa, mas qual é o nível dessa submissão? Se um pastor exorta uma irmã por causa de seu namoro com um incrédulo e ela, simplesmente, rejeita a exortação, ela está sendo rebelde. Se um líder recebe a orientação para ministrar em sua célula o esboço do boletim e, de forma independente, ele resolve seguir outra direção, está sendo rebelde. Mas quantos admitem serem rebeldes nessas situações? Eles imaginam que podem, simplesmente, ignorar a direção do pastor e agir com independência, mas o que não percebem é que aquela rebeldia está minando a unidade da Igreja como exército.
Ignorar orientações, não executar as direções dadas, rejeitar convocações espirituais, falar mal dos pastores ou permitir que outros o façam são expressões comuns de rebeldia entre nós. Mas quantos possuem sensibilidade espiritual para perceber isso?
Qual soldado ignora as ordens de seu comandante? Isso não acontece porque eles entendem o que é submissão. Todavia, no exército da Igreja, às vezes, temos de implorar para alguns obedecerem a uma ordem. Precisamos mostrar a eles todas as vantagens e tudo o que eles podem alcançar se obedecerem à direção dada.
Imagine se um capitão tivesse que parar para persuadir um soldado sempre que precisasse lhe dar uma ordem? Todavia, hoje, na Igreja, as pessoas somente se submetem se concordarem com a direção ou visão da liderança. Ora, se apenas nos submetemos quando concordamos é porque não nos submetemos, apenas fazemos o que achamos melhor. Que o Senhor nos abra os olhos nestes dias para termos revelação da autoridade no Exército de Deus. 

1.    ELE RECONHECE FACILMENTE A AUTORIDADE
Quem tem revelação da importância da autoridade não vive solto e sem restrição. Ele busca se submeter de coração e não apenas por obrigação. Há muitas autoridades na igreja. Elas estão acima de você, e você tem de aprender a submeter-se a elas. Uma pessoa submissa reconhece a autoridade quando a encontra. Ao encontrar a autoridade em outra pessoa, ela procura se submeter imediatamente; não fica analisando com cuidado, antes de se submeter a ela, para depois decidir se tal pessoa é digna de submissão. Se você para pra pensar se uma pessoa é digna de submissão, então, você está lidando com pessoas e não com o princípio da autoridade espiritual que procede de Deus. Se você nunca encontrou alguém suficientemente bom e capaz para ser autoridade sobre você, essa é a prova de que você é rebelde e arrogante. Aquele que é submisso sabe que a sua submissão não depende da perfeição do líder, mas da autoridade que lhe foi delegada. Ele sabe também que aquele que se rebela contra um líder se levanta contra toda a autoridade da igreja local e, ao final, se levanta contra o próprio Deus, pois as Escrituras afirmam que toda autoridade procede de Deus. Paulo diz:
“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação” (Rm 13.1,2). 

2.     UMA PESSOA SUBMISSA NÃO É INDEPENDENTE

Ser independente é achar que ninguém é autoridade sobre si e que é autossuficiente e pode fazer qualquer coisa na igreja sem o conselho e a orientação de ninguém. Você consegue perceber a arrogância dessa atitude? Todo rebelde é também muito arrogante. Infelizmente, temos até líderes de célula independentes. Fazem o que bem entendem como se não tivessem que prestar contas a ninguém, rejeitando a instrução e a exortação. Não estou sugerindo que você seja dependente de pessoas ou líderes. O que quero dizer é que você precisa prestar contas dentro da igreja. Não somos independentes, somos ligados uns aos outros como os membros do Corpo.
Aprecio o seu desejo de liderar uma célula, mas é triste quando o vemos abrir uma célula de forma mais independente e desprendida do Corpo. Independência é um grande sinal de rebeldia. Deus não aceita fogo estranho. Lembra-se de Nadabe e Abiú? (Levítico 10.1,2). Eles ofereceram fogo estranho diante de Deus e foram consumidos. Fogo estranho é aquele que tem origem em nossa presunção e independência. Com relação à submissão, o pecado pode ser de dois tipos: presunção e desobediência. Desobediência quando Deus nos manda fazer algo e não fazemos; presunção quando Deus não mandou e fazemos assim mesmo. O trabalho deve ser uma coordenação de autoridade. Deus havia estabelecido Arão como sumo sacerdote e seus filhos sob a sua liderança. Observe o que Levítico fala de Arão e seus filhos. Quando os filhos resolveram oferecer sacrifícios fora da coordenação de seu pai, aquilo se tornou fogo estranho, e o resultado foi morte (Levítico 9.9).
A consequência imediata da rebeldia é a morte. Qualquer pessoa que sirva a Deus sem discernir a autoridade oferece fogo estranho. Quando alguém age de forma independente, fora da coordenação da autoridade na igreja, está oferecendo fogo estranho, mesmo que esteja fazendo algo como liderar uma célula. 

3.     AQUELE QUE CONHECE AUTORIDADE NÃO PROCURA SER AUTORIDADE

Na igreja, sempre existem aqueles que procuram posição, mas fogem da responsabilidade. Há aqueles que procuram status e títulos e presumem que a autoridade seria algo para se desfrutar. Aquele que conhece autoridade não busca ser autoridade, ele entende que, com ela, vem a responsabilidade diante de Deus.
Aquele que é submisso procura cuidar do seu líder porque entende o peso espiritual da função que ele exerce. Ele procura ser alívio e não um peso a mais, procura ser parte das soluções e nunca dos problemas.
Os rebeldes procuram dificultar a vida do líder porque querem que ele pague algum preço pelo status que possui. Isso mostra que a rebeldia sempre vem acompanhada da inveja. Todo rebelde inveja a posição do líder, por isso tenta minar a sua autoridade. Ele supõe que, se provar a incapacidade do líder, todos perceberão que ele é quem deveria estar em uma posição elevada. São pessoas naturais e egocêntricas, sem encargo algum pelo coração de Deus.
Tenha muito cuidado. Todo esse processo começa quando começam a perceber muitos erros cometidos pelo líder e começam a falar como as coisas estão ruins e poderiam ser melhores. No momento seguinte, começam a pensar que seriam capazes de fazer melhor do que o líder. Enchem-se de opiniões e críticas, supondo serem capazes de fazer melhor do que ele. Depois, vem a indagação: “Se eu vejo os erros e posso fazer melhor, por que ele ainda é o líder? Se não posso tomar o lugar dele, também não preciso me submeter a ele”. Esses são os estágios normais do pensamento rebelde. Lembre-se que todo rebelde é também invejoso, como foi Lúcifer, que quis subir acima das mais altas nuvens movido por sua inveja do Altíssimo. 

4.    AQUELES QUE SÃO SUBMISSOS SÃO TARDIOS PARA OPINAR

Aqueles que rapidamente emitem opinião mostram um coração independente e uma vaidade de expor constantemente suas considerações. Tal vaidade e independência mostram um coração que tem dificuldade de se submeter. Aquele que é submisso deseja ouvir a opinião da autoridade antes de expor a sua própria e só o fará se realmente for contribuir para ajudar a resolver problemas.
Pessoas cheias de opiniões, na verdade, querem ter autoridade, mas nem entendem como a autoridade é estabelecida. Uma pessoa torna-se autoridade na obra do Senhor por conhecer a vontade de Deus. Não nos tornamos autoridades baseadas em nossas próprias opiniões e ideias, mas, sim, compreendendo a vontade de Deus. Nunca devemos esperar que as pessoas se submetam à nossa própria opinião, elas nos seguem porque percebem que falamos aquilo que é a vontade de Deus.
A extensão de nossa autoridade é a exata medida do nosso conhecimento da vontade de Deus. Ninguém é reconhecido como autoridade na igreja porque tem muitas opiniões ou ideias inteligentes. Na verdade, o que mais tememos na igreja são aquelas pessoas que se julgam inteligentes e presumem ter ideias e opiniões superiores.
Quando for dar uma opinião, fale da parte de Deus. Ninguém quer saber a sua opinião. Na verdade, nem Deus quer saber a sua opinião, mas todos desejam saber o que vai no coração do Pai. É triste dizer, mas, no mundo todo, o único que aprecia sua opinião é você mesmo. A Casa de Deus é edificada quando alguém fala da parte de Deus. 

5. a PESSOA SUBMISSA É MUITO SENSÍVEL A REBELIÕES E INIQUIDADES

A pessoa que conhece a autoridade sabe o quanto a rebelião contamina. Na verdade, o homem submisso é aquele que foi tratado por Deus em sua rebeldia. Por isso, ele sente temor quando percebe outros agindo dessa forma, pois sabe o custo do tratamento. Mas o que você sente quando alguém age com rebeldia? Fica do lado dela? Concorda com suas ideias? Fica calado? Infelizmente, é um fato da vida que Jacó sempre vai procurar Labão e Maria sempre vai procurar Isabel. Os semelhantes se atraem no mundo espiritual; o profundo atrai o profundo, mas o raso atrai o superficial. Certa vez, um de nossos obreiros recebeu uma cantada maliciosa de uma mulher. Ele ficou indignado e veio me contar o ocorrido. Eu o elogiei pela sua indignação, mas lhe fiz a seguinte pergunta: “Por que a mulher se sentiu à vontade para falar com você essas coisas?”. É a mesma pergunta que faço àqueles irmãos que, constantemente, estão envolvidos com pessoas rebeldes. Se pessoas rebeldes sentem liberdade para falarem mal da autoridade perto de você, vezes seguidas, deve ser porque você concorda com as ideias delas. Mesmo o seu silêncio é uma concordância. Se você não é sensível para perceber quando alguém está sendo rebelde, isso significa que a rebeldia ainda não foi tratada por Deus em sua vida.

6.    aqUELE QUE É SUBMISSO CONSEGUE LEVAR OS OUTROS À SUBMISSÃO

A primeira lição de um servo de Deus é submeter-se à autoridade. Precisamos ver que há autoridade em todo lugar: em casa, na escola, no trabalho, na sociedade, etc. O problema é que muitos veem a submissão como um castigo ou punição, uma vez que Deus disse à Eva, em Gênesis, que ela deveria se submeter a Adão depois da queda. Precisamos, porém, reconhecer que a autoridade já existia antes da queda e, portanto, a submissão também.
Nesse processo de crescimento, precisamos adquirir um espírito de submissão e, também, precisamos ser treinados nele. Somos treinados andando com pessoas submissas. Pessoas submissas passam o espírito de submissão, assim como pessoas rebeldes infectam a Igreja com o espírito de rebeldia.
Tome hoje uma nova posição em sua vida. Rejeite todo espírito sutil de rebeldia. Além disso, posicione-se para guardar a Igreja. Cabe a cada soldado zelar pela unidade do exército. Não admita que ninguém aja com rebeldia dentro de sua célula. O Espírito Santo está trabalhando para produzir em nosso meio uma santa unanimidade. Como exército, o que se espera de nós é um moral forte e elevado e que caminhemos juntos em submissão à autoridade.

:: PR. ALUÍZIO ANTÔNIO





"UNS AOS OUTROS"





UNS AOS OUTROS
Tim Carrikerr


Por isso Eu estou dando a vocês agora um novo mandamento - amem-se tanto UNS AOS OUTROS quanto Eu amo a vocês.

Eu ordeno que se amem UNS AOS OUTROS!

Pois tal como existem muitas partes em nossos corpos, assim também é com o corpo de Cristo. Todos nós somos parte dele, e cada um de nós é necessário para fazê-lo completo, porque carta um de nós tem um trabalho diferente a executar. Assim, pertencemos UNS AOS OUTROS e cada um precisa de todos os demais.

Amem-se UNS AOS OUTROS  com afeição fraternal e tenham prazer em honrar UNS AOS OUTROS .

Desta forma tenham como alvo a harmonia na igreja e procurem se edificar UNS AOS OUTROS
Portanto, acolham-se calorosamente UNS AOS OUTROS na igreja, tal como Cristo acolheu calorosamente vocês; e então Deus será glorificado.

Porque vocês, caros irmãos, receberam a liberdade: não a liberdade para fazer o mal, mas a liberdade para amarem e servirem UNS AOS OUTROS.

Pois toda a Lei pode ser resumida neste único mandamento: "Ame aos outros como você ama a si mesmo". Mas se, em lugar de mostrarem amor entre si, vocês estão sempre fingindo e criticando-se, cuidado! Cuidado para não se destruírem UNS AOS OUTROS.

E vocês também são unidos a Ele, e UNS AOS OUTROS, pelo Espírito, e formam parte desta morada de Deus:

Deixem de mentir UNS AOS OUTROS; falem a verdade, pois somos membros uns dos outros e quando mentimos UNS AOS OUTROS estamos fazendo mal a nós mesmos.

As histórias sujas, a conversa indecente e as brincadeiras inconvenientes - estas coisas não são para vocês. Ao invés disso, relembrem UNS AOS OUTROS a bondade de Deus, e sejam agradecidos.
Honrem a Cristo pela submissão de UNS AOS OUTROS.

Existirá algo assim, como cristãos que se animem UNS AOS OUTROS?  Vocês me amam bastante para quererem ajudar-me? Significa algo para vocês o fato de sermos irmãos no Senhor partilhando o mesmo Espírito? O coração de vocês está cheio de ternura e compaixão?

Então, façam-me verdadeiramente feliz, amando-se UNS AOS OUTROS  e concordando uns com os outros de todo o coração, trabalhando juntos com um só coração, uma só mente e um só propósito.
Não mintam UNS AOS OUTROS; a vida velha que vocês levavam, com toda a sua perversidade, é que fazia essa espécie de coisas; agora ela esta morta e desapareceu.

Lembrem-se do que Cristo ensinou e que as suas palavras enriqueçam a vida de vocês e os tornem sábios; ensinem essas palavras UNS AOS OUTROS e cantem-nas em salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com corações agradecidos.

Mas quanto ao amor fraternal puro que deve existir entre o povo de Deus, eu não preciso falar muito, tenho certeza! Porque o próprio Deus está ensinando vocês a se amarem UNS AOS OUTROS.

Portanto, animem-se UNS AOS OUTROS e edifiquem-se UNS AOS OUTROS, tal como já estão fazendo.

Cuidem que ninguém retribua mal por mal, mas procurem sempre fazer o bem UNS AOS OUTROS e a todo mundo.

Em reconhecimento por tudo quanto Ele fez por nós, suplantemos UNS AOS OUTROS em ser prestativos, em ser bondosos uns para com os outros, e em fazer o bem.

Não descuidemos os nossos deveres na igreja, nem as suas reuniões, como algumas pessoas fazem, mas animemo-nos e nos admoestemos UNS AOS OUTROS , especialmente agora que o dia da sua volta está se aproximando.

Continuem a amar-se UNS AOS OUTROS  com amor fraternal verdadeiro.

Não se critiquem nem falem mal uns dos outros, queridos irmãos. Se vocês fizerem isso, estarão lutando contra a lei de Deus que ordena amarem-se UNS AOS OUTROS, e dizendo que ela está errada. Mas o que vocês têm a fazer não é resolver se esta lei está certa ou errada, e sim obedecê-la.
Confessem suas faltas UNS AOS OUTROS e orem uns pelos outros, a fim de que vocês possam ser curados. A oração fervorosa de um homem justo tem grande poder e resultados maravilhosos.
Agora vocês podem ter amor verdadeiro por todos, porque as almas de vocês foram purificadas do egoísmo e do ódio quando confiaram em Cristo, como seu Salvador; portanto, procurem amar na verdade UNS AOS OUTROS ardentemente, de todo o coração.

E agora, esta palavra a cada um: vocês devem ser como uma grande família feliz, cheios de simpatia uns pelos outros, amando-se UNS AOS OUTROS, com corações ternos e mentes humildes.

Vocês, homens mais jovens, sigam a liderança daqueles que são mais velhos. E todos vocês sirvam UNS AOS OUTROS com um espírito humilde, pois Deus concede bênçãos especiais àqueles que são humildes, mas se opõe àqueles que são orgulhosos.

Ainda assim esse mandamento é sempre novo, e dá resultado para vocês tal como deu para Cristo; e à medida que obedecemos a este mandamento de amarmos UNS AOS OUTROS, desaparece a escuridão em nossas vidas e brilha nelas a nova luz da vida em Cristo.

Porque a mensagem enviada a nós desde o princípio tem sido que devemos amar UNS AOS OUTROS!!!

Queridos amigos, acostumemo-nos a amar-nos UNS AOS OUTROS, pois o amor provém de Deus e aqueles que amam e são bondosos, mostram que são filhos de Deus, e que estão conseguindo conhecê-lo melhor ainda.

Queridos amigos, visto que Deus nos amou tanto assim, é evidente que nós também devemos amar-nos UNS AOS OUTROS.  Porque embora nós nunca tenhamos visto a Deus, quando nos amamos UNS AOS OUTROS, Deus vive em nós e o seu amor em nós torna-se cada vez mais forte.
E agora eu quero lembrar-lhes insistentemente, queridos amigos, o velho preceito que Deus nos deu bem no princípio: que os cristãos devem amar-se UNS AOS OUTROS.

Se amamos a Deus, faremos tudo quanto Ele nos manda. E, desde o começo mesmo Ele nos mandou que amássemos UNS AOS OUTROS.


Fui claro?

2.06.2017

AS ANSIEDADES DE 2016! | Fabio Campos

 

 

 

 

Por Fabio Campos

 

Texto base: “Cuidado para que vossos corações não fiquem pesados...” – Lucas 21.34a

 

O ano de 2016 terminou e com ele foi-se uma série de coisas boas e ruins. Para alguns foi um ano de glórias; para outros (talvez a maioria), foi um ano de enfado e aborrecimento. Todavia, já estão lá trás as felicidades e tristezas; derrotas e vitórias; os ganhos e as perdas.

 

O que importa agora, portanto, é arrazoar pelas as Escrituras o que Deus pediu de nós, porém não fizemos. Com efeito, há uma nova oportunidade de fazer as coisas diferentes.

 

As palavras de Jesus no capítulo 21 do evangelho de Lucas, a partir do versículo 8, trata sobre os sinais de Sua segunda vinda. No verso 34 Jesus faz uma exortação com implicações eternas: “Cuidado para que vossos corações não fiquem pesados pela devassidão, pela embriaguez, pelas preocupações da vida, e não se abata repentinamente sobre vós aquele dia”.

 

A passagem não trata do bem estar das pessoas. As palavras de Jesus não diz respeito auto-ajuda para aconselhar pessoas ansiosas. Cristo tratou das distrações que poderão afetar o nosso destino eterno. Quantas vezes o nosso coração foi tomado pelas “preocupações desta vida” desviando-se do foco. Por vezes, em nossas aflições, buscamos diversas coisas para atenuar o sofrimento causado pelas situações que nos acometeram com suas apunhaladas. Aqui é o ponto!

 

Meus irmãos, nosso inimigo ruge em nosso derredor, pois o seu desejo é nos devorar. Caímos quando buscamos paliativos para alegrar nossa alma cansada, por conta das “ansiedades da vida”. Nosso Senhor Jesus Cristo é o único que pode trazer a verdadeira paz. Estes paliativos, não obstante, nos aprisionam com mais grilhões. Nossa sociedade tornou-se dependente de um bando de preocupações artificiais.

 

O consumo destas coisas, junto com suas práticas, embriaga-nos. Hoje em dia estar ocupado tornou-se uma questão de status. As pessoas têm medo da solitude, pois não querem refletir sobre si mesmas. Não ter coisas ou, estar sozinho para escutar a voz de Deus, para muitos, é um tédio.

 

Jesus apresentou o escape para que possamos se desviar de toda essa loucura: “Ficai acordados, portanto, ORANDO em TODO O MOMENTO, para terdes a força de escapar de tudo que deve acontecer...” (Lc 21.36).

 

Um servo de Deus não pode entrar no alvoroço do mundo. Não devemos nos amoldar ao padrão do presente século, pois, doutro modo, como conseguiremos ser luz para as pessoas? Quais serão as respostas que daremos sobre a razão da nossa esperança, já que o mundo entrou na gente?

 

Eu sei dos desafios que estão à nossa porta; sei também das preocupações em honrarmos os nossos compromissos. Eu tenho os meus temores; talvez mais do que você que está lendo este artigo. No entanto, acima de tudo, eu confio em Deus e faço o meu coração repousar na sua Santa Palavra:

 

“Seja vossa vida isenta de ganância e contentai-vos com o que tendes; porque ele mesmo disse: ‘Nunca te deixarei, jamais de abandonarei’. Desse modo, com plena confiança, digamos: ‘O Senhor é quem me ajuda, não temerei. Que poderá me fazer o homem?” (Hb 13. 5-6).

 

Que a presença de Deus possa ser nosso maior anseio, pois quanto mais tempo passarmos com Ele, mais descobriremos que Ele sempre esteve conosco, em todos os momentos e em todos os lugares. Isso nos livrará de todos os temores e nos ajudará a ter um coração puro e leve para desfrutar de Deus e ser pleno n’Ele. Este é o meu desejo para 2017.

 

Feliz ano para você e para os seus amados.

 

 

Em Cristo Jesus, considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

 

Soli Deo Gloria!

 

Fabio Campos

fabio.solafide@gmail.com

______________________________

 

Leia no blog Devocionais de Fabio Campos

 

 



As informações contidas nesta mensagem e nos arquivos anexados são para uso restrito, sendo seu sigilo protegido por lei. Caso o destinatário seja outra pessoa, por favor, desconsidere essa mensagem.